11/10/14

A brincadeira do desmaio pra falar com Allan Kardec

Eu sempre quis desvendar os mistérios da vida, sou um ateu agnóstico que sempre buscou mergulhar nas experiências ditas espirituais para ver a veracidade delas, infelizmente, depois, eu sempre cheguei à conclusão que não existe nada de fantástico ou sobrenatural nesse mundo, mas estou aberto que me provem o contrário.

Em 1997, eu já era um curioso, no colégio onde eu estudara descobri um grupo de adolescentes que na hora do recreio, se ofereciam a fazer outras pessoas, voluntariamente desmaiarem. Fiquei muito curioso pensando que talvez fosse a chance para eu ver se os deuses e o mundo astral existem realmente. Então na hora do recreio, perto da porta do banheiro, cheguei a esses adolescentes e pedi para eles me fazerem a brincadeira do desmaio, pensei que era algo tipo o desdobramento dos espíritas, eles me perguntaram se eu era cardíaco, informei que não, logo um monte de alunos curiosos nos cercaram para ver o espetáculo que supostamente causaria inveja à Allan Kardec...

Bom, os caras me seguraram para eu não cair no chão, eu estava ali, na mão deles disposto a ver o "mundo de lá" , ver o além. Eles começaram a empurrar meu peito, não me lembro muito bem, começaram a me pedir para eu acelerar a minha respiração, eu respirava e eles apertavam mais meu peito, como se fosse uma massagem cardíaca, o colégio todo em torno de mim para ver o que iria acontecer, foi então que a minha vista começou a escurecer, parecia que o meu sistema operacional interno havia começado a reiniciar, naquele momento senti uma sensação gostosa de desligamento do que os outros achavam de mim, minhas vistas ficaram como uma TV fora de sintonia, com aqueles chuvisquinhos, só faltava ver aquela mira que o Robocop vê antes de atirar em um alvo. Me senti uma máquina desligando, as vozes das pessoas começavam a ficar longe, como se eu estivesse dentro de uma caixa e as pessoas do lado de fora me chamando, a percepção sensorial minha ia diminuindo cada vez mais, o mundo externo e eu iam virtualmente se separando, até que eu perdi totalmente a guarda e meus olhos escureceram  e ficaram com chiadeira de TV velha fora de sintonia, mas foi rápido, em poucos segundos, como sou duro na queda, comecei a voltar (dar boot) ao mundo novamente, achei engraçado pois todos estavam ao meu redor rindo, me olhando, comentando e eu nem importância dava, parecia que eu saia da caixinha que entrei e voltava progressivamente à processar todas as informações, eu estava quase caído no chão mas os meus colegas me seguravam para eu não cair de vez. Então com toda a consciência recobrada eu comecei a dizer a todos que eu havia visto a morte.




Vejam aí a brincadeira do desmaio com os amiguinhos do Geovane cabelo de boneca do zello, foi bem parecido comigo, não recomendo fazer pois alguns médicos dizem que pode ser irreversível:


Não vi anjinhos, não vi Vênus, não vi Deus, não vi Odin, apenas tive a visão escurecida e vi chiados de TV. Resumindo, não vi PORRA NENHUMA!
Gostei da experiência, afinal me desliguei um pouco, reiniciar o sistema para ter mudanças é sempre bom.

Depois disso comecei a me perguntar se eu era um ciborgue ou algo do gênero pois até hoje, quando estou em um lugar muito calmo, quase dormindo, se uma coisa cai ou faz algum barulho inesperado, vejo ondas eletrônicas ou em horizontal ou em forma circular. De repente eu sou um robô.

Pois é, eu não sou como esses médiuns que veem espíritos até dentro de saquinho de batata frita, para se ter uma ideia, eu fiz regressão de vidas passadas recentemente e a terapeuta faltou brigar comigo pois eu não via nada , ela falava que meu braço estava pesado como uma pedra eu me coçava normalmente , ela queria morrer. Também não vi nada. A minha esperança é que talvez eu sofra um acidente grave e veja uma coisa diferente um dia.

Uma vez eu sonhei um sonho um pouco mais realístico e vi o tal do túnel terminado em luz, fazia um barulho de aceleração eletrônica, eu fiquei falando a mim mesmo que a minha vida não era tão legalzona e eu poderia ir, mas fiquei com medo de entrar naquela luz, não apenas pelo medo do desconhecido, mas sim pelo medo de ficar sequelado, perder a respiração, ter uma perna amputada, raciocinei que as pessoas para morrerem precisam passar por coisas dolorosas, logo imaginei então que se eu entrasse naquela luz, uma veia minha ira puxar, uma dor iria me possuir e eu não poderia parar, então desisti. Me arrependi pois a minha curiosidade sobre o assunto é grande e não é todo mundo que tem a chance de ver esse túnel de luz em sonhos, livres de desgraças no mundo físico.

Bom, fica o aviso: a brincadeira do desmaio é criticada por alguns médicos pois eles dizem que o corpo pode não voltar ao normal de novo. Então, não façam ok.

Cantinho da perseguição

Eu não aguento mais ser perseguido pelo tal Akamai, esse japonês me persegue com vários outros nicks: fbstatic-a.akamaihd.net fbstatic-a.akamai.net, as veze até acho que esse akamai é um espião da presidente Dilma. Saia da minha vida Akamai! Não Aguento mais ver você na praia de Pitangueiras, morra!

Outra coisa que me persegue: toda hora no facebook aparece um dito link chamado "Pessoas que você talvez conheça", quando eu clico, ao olhar a lista eu penso que o nome deveria ser outro: Periguetes que você nunca viu na vida!

Mabel | Midia Ninja Twitter | Seja um ateu praticante | Discord Bate papo | Sexo no VK | Zoeirinha Guarujá

Ceboliceta, o blog que leva a sua mente pra Marte

A qualquer momento podemos entrar no ar

O porque o mundo pode mudar de repente!
NSA SPY